Perguntas sobre pureza, as dificuldades e atitudes a tomar.

Como posso permanecer pura?

Em primeiro lugar, não deixes que o medo à rejeição controle as tuas relações. Muitas mulheres têm medo de ofender ou de perder o seu namorado ou amigo se não cederem às suas exigências sexuais. Uma mulher disse: “Com frequência as raparigas pensam que têm de fazê-lo para que o namorado esteja contente, mas logo a seguir sentem-se super mal, mais ainda quando ele a troca por outra.” Tens que saber ultrapassar estas inseguranças, para que assim te possas entregar a alguém que te mereça realmente. Em vez de te preocupares se ele te vai deixar se não lhe dás o que ele quer em termos sexuais, deixa que ele se preocupe com o facto de seres tu quem o vai deixar, se ele não te respeita!

Do mesmo modo, muitos jovens têm medo que as raparigas pensem menos deles, quando eles recusam os avanços sexuais. Mas se uma rapariga te está a pressionar pode ser que talvez ela também tenha medo de que a rejeites se não te oferece algo sexual. É preciso atenção e cuidado nesta matéria.

Da mesma forma que proteges o teu corpo, tens de proteger também o teu coração e a tua mente. Como disse São Paulo, “Quanto ao resto, irmãos, tudo quanto há de verdadeiro, de nobre, de justo, de puro, de amável, de honroso, tudo quanto seja virtude ou valor, tende-o em conta.” (Fil. 4:8) Por isso não prejudiques a tua mente com programas de televisão sensuais, sites, revistas, anedotas, ou música que rebaixam a dignidade do sexo sem nenhuma razão. Há pessoas que justificam a diversão com estas coisas, chegando ao ponto de dizer que isso não as afecta. Isto é como saltar para um lamaçal depois de uma chuvada e pensar que não te vais sujar. Se de verdade queres encontrar o amor e descobrir a sua força põe estas coisas de lado. Pergunta-te: “Estou suficientemente empenhado/a em controlar a minha paixão sexual? O que é que posso melhorar?”

Sendo um rapaz, é impossível ter uma mente pura?

Ter desejos sexuais não é mau. É normal e são. Mas devemos governar a nossa imaginação, ter cuidado com as nossas conversas e deixar de olhar as raparigas como um objecto. Jesus disse: “Mas eu vos digo: Todo aquele que olha uma mulher desejando-a, já cometeu adultério com ela no seu coração.” (Mat. 5:28) E recordemos, o Papa João Paulo II dizia que não devemos ter medo destas palavras mas sim ter plena confiança no Seu poder para nos tornar mais sãos e ajudar naquilo que nos falta. Há uma batalha entre o amor e a paixão egoísta (luxúria) em todos nós. Mas, quando somos homens de oração, podemos vencer a tentação e aprender a amar uma mulher em vez de a usar.

Faz-te dono dos teus pensamentos sexuais e encontrarás a disciplina e o domínio do teu corpo. Quando uma tentação sexual chegar à tua mente, pára, detém-te e reza pedindo pureza e a seguir reza pela pessoa que te está a tentar. Quanto mais praticares a castidade, mais fácil será para ti e estarás mais bem preparado para o amor. Por exemplo, quando os homens procuram a pureza, aprendem como demonstrar o amor verdadeiro e o carinho. Um homem torna-se um melhor amante já que aprendeu a amar a mulher integralmente, e não apenas o seu corpo. Então, uma coisa muito boa sobre a castidade é que não tem por objectivo a ausência e repressão da tentação, senão da vitória do amor sobre ela… leva-nos à plenitude da sexualidade.

Por isso é que a virtude da castidade não desaparece quando te casas. A castidade é a capacidade de amar o outro e ter a reverência pelo dom da sexualidade sem importar em que etapa da vida estejas: casado, solteiro ou em vida consagrada. Na realidade, ainda que a abstinência termine para os que se casam, a castidade une-nos a todos. Se estás farto de divórcios e rupturas familiares e esperas que, se chegares a casar-te, esse casamento perdure e sejas feliz, então começa hoje a viver a virtude da castidade.

Como é possível a pureza?

A pureza é um dom de Jesus Cristo, e Ele no-la dará se a pedirmos com humildade e perseverança. Sem Ele, é impossível. Mas nas palavras do Papa João Paulo II, “o amor é vitorioso porque reza.” Ou, segundo São Paulo, “tudo posso com aquele que me dá forças” (Fil. 4:13).

Deus está sempre presente para te dar parte da Sua graça, ou para ser testemunha quando diriges o teu olhar para Ele. Mas não acredites que Deus é um estraga-festas divino, constantemente a olhar sobre o teu ombro para se assegurar de que não te divertes nem sabes como aproveitar o tempo. Ele ama-te mais do que jamais possas imaginar, e quer o melhor para ti. Ele deseja ver-te verdadeiramente vivo e feliz, e por isso o pecado não cabe neste esquema.
Para ser puro, segue os conselhos do Beato Pier Giorgio Frassati: “Com toda a força da minha alma peço aos jovens que se aproximem da mesa da Comunhão tantas vezes quantas possam. Comam deste pão dos anjos, de onde retirarão a energia necessária para lutar nas batalhas internas. Porque a felicidade verdadeira, queridos amigos, não consiste nos prazeres do mundo ou nas coisas materiais deste mundo, mas na paz da consciência, que somente obtemos se somos puros de coração e de mente.”

Posto isto, se querem graça, passem o tempo com Jesus em oração, vão à Missa e à Confissão, rezem o terço diariamente, leiam a Bíblia, peçam a São José e aos santos e ao vosso anjo da guarda que roguem por vocês, rezem a Via-sacra, estejam na adoração do Santíssimo Sacramento e encontrem um amigo ou um sacerdote santo com quem possam falar.
Se não juntamos todas estas armas e nos queixamos de que a pureza é muito difícil, é como se nos sentássemos num grande tanque de guerra com uma bandeira branca e rendermo-nos. Não estamos sem ajuda. Ou deixamos de rezar, ou perseveramos e a oração vence o pecado. Os dois não podem estar juntos, por isso persevera na oração.
Especialmente com uma sincera devoção à Santíssima Virgem Maria, qualquer um pode chegar a obter a pureza que se requerer para amar de verdade. Continua a lutar pela boa luta. A coroa do Céu e a tua futura mulher/marido valem isso.

A maneira como me visto tem alguma coisa a ver com a maneira como me trata um rapaz?

Claro que sim! Os homens podem ver quanto e como te valorizas a ti própria enquanto mulher, através da maneira como te vestes (e como danças por exemplo). Se o teu valor sexual é a primeira impressão que queres dar a um homem, estás a convidar o tipo de homens que apenas querem usar o teu corpo. Eles farão o que for preciso, ou dirão o que quiserem para ter acesso ao teu corpo. Mas, depois de te entregares, normalmente perdem o respeito por ti, fartam-se e afastam-se. Enquanto isso, ficas a pensar: “Talvez se eu fosse mais magra, ou se tivesse feito mais e melhores coisas sexuais com ele, ele tivesse gostado mais e tivesse ficado comigo.” Não, não é assim, mas sim, pode suceder que te tivesse usado mais tempo…
A modéstia é uma mensagem forte sobre o que vales porque convida a que os homens pensem coisas mais valiosas acerca de ti e te vejam como pessoa. Sei que há homens que procuram raparigas que se vestem assim, é verdade, mas pensa bem no que queres para ti. A alguém que se vista assim, ninguém respeitará. Como mulher, queres que te desejem, ou queres que te amem?

Se o teu coração está a dizer “Está muito curto?” ou “está muito apertado?” escuta essa tua intuição porque já respondeu à tua pergunta. Pára em frente a um espelho e pergunta: “A quem chamo a atenção com esta roupa?” Esta roupa está a dizer que o melhor de mim é o meu corpo ou está a dizer que valho a pena que esperem para vê-lo?”
A modéstia não quer dizer que não te podes vestir de forma atractiva ou que tens de cobrir cada centímetro do teu corpo como se fosse algo impuro. Como uma noiva que usa um véu, a roupa cobre o teu corpo como um convite ao respeito. Tu és exemplo do Espírito Santo, não uma colecção de partes do corpo exibindo-se num ramo. Mas se tu não te dás conta disto nem o vives, então como se dará conta um rapaz?

Um dos maiores e mais belos mistérios de uma mulher é a sua feminilidade. Os homens acham-na cativante e é algo que se deve proteger a qualquer custo. A modéstia preserva este mistério, já que nada adorna uma mulher com tanta beleza como a pureza. Como se disse, “A beleza do exterior nunca entra na alma, mas sim, a beleza da alma é que se reflecte no rosto.” Um vestuário modesto sinaliza uma mulher pura, e este é a primeira linha de defesa da virtude da castidade. Por isso toma nota de que a pureza é atractiva. Afinal, não estás a fazer-te rogada, mas a dizer que de verdade, és difícil de conquistar.

Se um rapaz quer imaginar coisas, isso não é um problema dele e não meu?

Sim é um problema dele. Mas quando uma mulher se frustra porque os homens não a respeitam, também se converte num problema dela. Por isso a modéstia é a guardiã do amor. Quando um homem conhece uma mulher que se respeita a si mesma, ele sabe que se quer gozar da sua companhia necessitará de a respeitar e ser cavalheiro com ela.
Por outro lado, se queres conhecer um homem de carácter, tem em conta que esses não estão à procura de uma rapariga que se vista para provocar. Lamentavelmente, os meios de comunicação dizem às mulheres que os seus corpos não são suficientemente perfeitos, e que se elas querem amor têm de vestir-se como as “modelos” anorécticas e super maquilhadas das revistas. Com tanta preocupação superficial, as mulheres não vêm que foram feitas à imagem de Deus, e que não precisam de se ver como fantasias eróticas para que o seu corpo seja valioso perante o olhar de Deus. Quando uma rapariga põe a sua atenção toda no aspecto físico, pode acontecer que não veja as qualidades que um homem com virtude esteja a tentar encontrar nela: a fé, a honestidade, a generosidade, a confiança, a fidelidade, o carinho, a bondade, o respeito.

Talvez estejas a pensar “Isso soa bem mas onde se escondem esses homens ideais?” Olha, eu conheci muitos jovens que perguntam o mesmo a respeito das mulheres puras. É como se estivéssemos tão preocupados e concentrados no que os outros dizem, fazem ou pensam que temos medo de ser nós próprios.

A maioria das mulheres não se veste para induzir nos homens pensamentos impuros. Mais, apenas querem ver-se atractivas e receber amor. No entanto, uma rapariga dispara um tiro contra si própria quando se veste sem modéstia. Pode pensar que a sua roupa é linda, mas ele não lhe está vendo a roupa. De facto, o que ele está a passar é que o impulso sexual o está a cegar face a tudo o resto. Que mulher quer afastar os homens do modelo de um amor incondicional? Ainda que os rapazes normalmente não gostem de pedir ajuda, quando se trata de ter uma mente pura e um coração limpo e forte, necessitam da ajuda das suas irmãs em Cristo. Como disse o Papa João Paulo II: “Aos homens tem de se lhes ensinar a amar, e a amar com nobreza; devem ser educados na profundidade desta verdade, quer dizer, no facto de que uma mulher é uma pessoa e não um simples objecto.”

Os homens devem respeitar as mulheres sem tomar em linha de conta o modo como estas se vestem, mas algumas mulheres estão tão ocupadas em fazer com que os rapazes reparem nelas que não percebem que também têm o poder de dar a volta aos corações desses rapazes. Isto pode parecer impossível, mas de facto não é. Com uma devoção verdadeira à Virgem Maria, os homens e as mulheres podem obter a pureza que se requer para o verdadeiro amor. Raparigas: não subestimem a vossa capacidade de mudar o modo como o mundo vê o sexo e a dignidade da mulher.

O que é a Castidade?

A castidade é uma virtude (tal como a coragem ou a honestidade) que se aplica à sexualidade da pessoa. E Significa que quanto mais casto fores, ou quanto mais cultivares a virtude da castidade, mais ordenas os teus desejos e impulsos sexuais de acordo com as necessidades do amor verdadeiro. O amor verdadeiro é todo aquele que não está dependente dos teus instintos e dos teus apetites, é aquele que te faz querer o bem do outro, sem pedir nada em troca, sem interesse próprio. Por isso é que Jesus é o exemplo máximo do amor, porque na cruz Ele entregou-se pela humanidade.

Por exemplo, quando amas uma pessoa (se for mesmo amor) fazes qualquer coisa, qualquer sacrifício por ela, e fazes tudo aquilo que for necessário para que ela não sofra. A castidade, quando nos esforçamos por inseri-la na nossa vida é como se estivéssemos a tomar essa decisão de amor incondicional e a aplica-la ao sexo. É simples, a castidade é um compromisso de amor onde nos esforçamos por valorizar a nossa própria dignidade humana, o nosso corpo.

Há quem julgue que a castidade significa apenas “não ter relações sexuais”. Mas isso é a abstinência, que significa dar a importância ao que não podes fazer ou ter. Ao invés, a castidade é o que podes fazer ou ter, agora e aqui mesmo se quiseres: um estilo de vida que te dá liberdade, respeito, paz e alegria e até romance sem reprovações, sem remorsos, sem temores nem angústias. A castidade liberta os namorados (e também os casais que já estão casados – aplica-se a todos!-) da atitude egoísta de se usarem um ao outro como objectos de satisfação de desejo, e dá-lhes a liberdade de ter e gozar de um amor verdadeiro. Viver a virtude da castidade de forma positiva vai purificando o teu coração em todos os domínios, fortalece a tua vontade e a tua relação íntima com o Senhor.
Tanto para os casados como para os solteiros, a castidade significa reverencia, respeito pelo dom do sexo e torna-nos capazes de dar e de receber o amor verdadeiro, porque estamos menos condicionados pelo instinto e mais entregues à verdadeira liberdade.

Viver a castidade não implica viver em perfeição! Cuidado! Por vezes é possível ouvir o discurso do “Não faças! Não podes! Não isto ou não aquilo”. É precisamente ao contrário, Deus é misericórdia e é amor. Sem Ele, nunca conseguirás (ou muito dificilmente) viver a castidade. Ele que é o expoente máximo do amor, juntamente com Nossa Senhora, é o exemplo máximo da entrega, do sacrifício que por vezes é preciso fazer das nossas vontades! Lembra-te quando Jesus diz “Pai, se queres afasta de mim este cálice! Mas que não se faça a minha vontade mas a tua” (Lc22, 41-42). O próprio Jesus, que é Deus, que tudo pode, mas que ao mesmo tempo é Homem como eu e como tu, teve medo, teve dúvidas. Nos momentos mais atribulados, vemos que Jesus reza ao Pai, que Lhe pede confirmação do seu caminho e da sua vontade! Tu faz o mesmo, seja com a virtude da castidade, seja com a virtude da temperança, da paciência ou qualquer outra. Pede ao Pai!

Uma coisa é certa: quando cais, quando caíres, tens sempre forma de te levantar! A confissão continua a ser o sacramento de excelência para formar santos! Sim, a confissão é uma fábrica de santos!! Os santos são homens normais, sem dons especiais, alguns pelo contrário com dificuldades enormes, mas que por terem permanecido na fé, conscientes do seu pecado e de que neles apenas Jesus pode trabalhar, tiveram a graça da humildade e de se deixarem ajudar por Ele. Tu faz o mesmo! Procura cultivar a castidade, que apenas é possível quando cultivas uma vida de oração e de proximidade com Deus. Ele que conhece todas as tuas dificuldades, apenas quer uma coisa: Levar-te para o céu. Se não fosse assim não estarias a ler estas linhas, estarias a ler outra coisa qualquer, a jogar futebol ou a estudar e trabalhar…mas Ele trouxe-te aqui, pensa nisso. Porquê tu a ler sobre castidade? Interessante certo, logo tu que não ligas a estas coisas que parecem antiquadas! Pois olha, não são nada antiquadas, o amor não é antiquado ou é? O homem continua a ter cabeça, tronco e membros certo? Continua a amar da mesma forma, com compromisso, com provas de carinho e afetividade! Tu sabes, que no fundo a castidade é importante, procura dentro de ti sobre a verdade do amor e verás! Força, ânimo e quanto a esta questão, confia na graça que Deus te pode dar…se tu deixares.

Mas qual é o problema com o sexo se a relação vai dar em casamento?

Se imitas o exemplo de outros ao teres relações sexuais antes do casamento, também podes imitá-los depois no processo de divórcio. Mais ainda, pessoas que dormem juntas antes de se casarem são três vezes mais propensas ao divórcio do que aqueles que esperam pela sua noite de núpcias. Isto está provado em dados estatísticos e estudos de opinião feitos por investigadores de comportamentos sociais. Pode haver várias razões para explicar porque é que aqueles que se casam sendo virgens têm taxas mais baixas de divórcios. Talvez uma boa explicação seja porque muitos casais activamente sexuais tomam más decisões a espeito do casamento porque a paixão sexual cria uma falsa sensação de unidade. A paixão tirou-lhes a capacidade de se verem claramente um ao outro como possíveis esposos uma vez que a tensão sexual pode esconder uma ausência de verdadeiro amor, o qual nunca chegou a desenvolver-se. Alguns namorados não querem usar-se um ao outro, mas querem viver juntos ou ter relações sexuais para se sentirem mais unidos. No entanto, casais que vivem juntos antes do casamento têm uma taxa de divórcio de 80% superior aos do que se esperam por se casarem para viver juntos, e são três vezes mais propensos a viver a dolorosa experiência da infidelidade, atraiçoando-se um ao outro.

Pensa no que faz a felicidade e a permanência de um casamento: paciência, auto-controle e capacidade de sacrifício. Agora, pensa nas qualidades que um par de namorados que vive a castidade tem de praticar: paciência, auto-controle e sacrifício. Quando se dá mais valor ao prazer mais do que a estas qualidades, os namorados perdem a oportunidade de desenvolver e fortalecer as virtudes que fazem com que perdure e seja feliz o seu futuro casamento. Depois de tudo, estar unido para toda a vida é melhor do que se sentir unido por umas quantas noites. A verdade é que o sacrifício mútuo intensifica o amor e recusar este sacrifício destrói-o. Se de verdade queres um amor para toda a vida, começa a construi-lo agora, preparando-te para ele.

Como digo “não”?

Se queres amor, então a palavra mais importante que tens de aprender é NÃO. Dizendo não às piratarias que se disfarçam de amor, estás a dizer SIM ao verdadeiro amor. Quando precisares de fixar o limite, sê claro/a, decidido/a, seguro/a, e firme. Assegura-te que dizes “NÃO” com palavras tuas, e também com o teu corpo. Se estás deitado/a com o/a teu/tua namorado/a no sofá e lhe dás um NÃO calado mas não muito firme, ele/ela não te vai levar muito a sério, já que tu próprio/a não te levas muitos a sério.

Se o teu coração diz: “Talvez não deva estar a fazer isto”, escuta-o e ouve o que diz a tua intuição, reza para teres fortaleza de coração e sai dessa situação. Como? Seja como for: diz que não te sentes cómodo/a, e que precisas de voltar para casa, ou deita as culpas aos teus pais, que estão a chegar ou assim. Ainda melhor, diz-lhe que a tua mulher/marido é o único que merece tanta aproximação e isso somente acontecerá quando estiverem casados. Além disso, gostarias de casar com alguém que dá o seu corpo facilmente a outros, que não é capaz de te respeitar e de esperar por ti?

Se não queres ferir os sentimentos da outra pessoa diz-lhe muito o quanto gostas que estejam juntos. Depois, explica-lhe como é que a pureza une um casal, mais do que a paixão. Isso mostrará que não apenas não o/a estás a empurrar para longe de ti, mas que estás à procura de um amor mais profundo, duradouro e verdadeiro. Mas tem em conta de que não tens nenhuma obrigação de dar ao teu namorado/a uma explicação muito profunda sobre porque é que a castidade é importante para ti. Se ele/ela te ama de verdade, então ele/ela não te pressionará. Esta é a prova verdadeira para saber se realmente te amam ou te estão a usar. O amor pode esperar para se entregar, mas a paixão sexual egoísta não pode esperar para arrebatar o que quer.

É mau estar sempre a ter pensamentos sexuais sobre raparigas? Se é, que é suposto eu fazer?

Para começar, a tua atracção sexual pelas raparigas foi marcada no teu coração por Deus, não pelo diabo. Não há nada de pecaminoso em estar sexualmente atraído por uma rapariga. É normal e é saudável. Não te sintas culpado pela atracção sexual, porque ela não é o mesmo que luxúria. Apenas por teres desejos fortes, tal não significa que tu sejas impuro.
Luxúria é uma coisa diferente porque é um acto consciente da tua vontade de permitir que a tua cabeça imagine actos sexuais. A luxúria trata a pessoa como um objecto – uma coisa para ser usada para teu prazer. Por consequência, é uma distorção do amor, e tal nunca irá satisfazer. Actos sexuais como o sexo pré-marital (relações sexuais antes do casamento) – ou deliberadamente imaginar relações pré-maritais – são sempre incompletos.
Jesus quer que tenhamos a plenitude do amor e não que nos desvalorizemos a nós mesmos com a luxúria. Por isso Ele avisou-nos que aquele que olha com luxúria para uma mulher já cometeu adultério com ela no coração (Mt 5, 28). Ao dizer isto, Jesus não nos está a condenar, mas a chamar-nos! Trabalha como S. Paulo fez para “sujeitarmos todo o pensamento para o tornar obediente a Cristo” (2 Cor 10, 5).

Relativamente ao que fazer com os pensamentos tentadores, eu recomendo o que já recomendei em outros sítios: se tu tens revistas impuras, vídeos ou música, liberta-te disso. Torna-te um homem de oração. Sê paciente contigo mesmo. Os pensamentos impuros não desaparecem de um momento para o outro, mas tem calma. Leva um dia de cada vez, um minuto de cada vez, um pensamento de cada vez. Não te deixes esmagar. A pureza de coração não significa que tu nunca sejas tentado e que cesse a tua atracção sexual pelas raparigas. Algumas pessoas até pensam que são puras simplesmente porque não têm desejos intensos ou porque elas nunca tiveram a oportunidade de fazer algo impuro com uma rapariga. Isto não é pureza. Ser puro requer um acto da vontade de amar, não a ausência de desejo sexual.
Uma forma de crescer na pureza é ser agradecido pela beleza das mulheres. Luxúria e verdadeira gratidão não podem coexistir simultaneamente. Então, quando vires uma rapariga atraente, em vez de pensá-la como uma mera tentação, dá graças a Deus por fazer as raparigas tão giras. Tu podes até rezar as palavras do Salmo 83 (84) “Como é agradável a Vossa morada, Senhor dos Exércitos!”. Como é ajustado, na medida em que cada mulher é templo do Espírito Santo, uma agradável morada de Deus.

Toda a beleza vem de Deus. Então, deixa que a beleza de todas as mulheres te recorde da infinitamente maior beleza que te espera no Céu, se tu perseverares na fé. Ao fazeres isto, tu viras o teu coração em direcção a Deus quando tu, doutra forma, estarias a ser tentado para te afastares de Deus. Agora, não te digo para ficares a olhar “extasiado” para uma rapariga e oferecer vinte minutos de oração de acção de graças, ou para procurares raparigas lindas com o argumento de assim teres mais razões para ser agradecido. Em vez disso, sê agradecido pela beleza duma rapariga quando reparas, mas depois segue para a frente homem!
Tudo o que Deus te pede é que sejas fiel a Ele na medida em que Ele se revela a ti no momento presente. Ele ama-te e irá dar-te a graça que precisas para manter a tua pureza. À medida que vais crescendo no controlo da tua cabeça ou imaginação, vais tendo também maior controlo sobre o teu corpo. “Ainda não vos surpreendeu nenhuma tentação que ultrapasse a medida humana. Deus, que é fiel, não permitirá que sejais tentados acima das vossas forças. Em caso de tentação, dar-vos-á os meios de lhe resistir” (1 Cor 10, 13).
Como é que se controlam os impulsos sexuais? Eles podem ser por vezes uma dor real – para as raparigas e para os rapazes.
Não é errado ter desejos sexuais. É o que fazemos com eles (com esses desejos sexuais) nos nossos pensamentos, palavras e acções que pode ser bom ou mau. Por isso, aqui vão alguns conselhos para prática.

Não te coloques nas relações ou situações onde sabes que erros vão acontecer. Às vezes nós encaminhamo-nos para situações tentadoras e depois culpamos Deus de que as tentações eram muito fortes para resistir. Rodeia-te de bons amigos, porque, como S. Paulo dizia, “más companhias arruinam boas morais” (1 Cor 15, 33). Nós podemos já ter ouvido os nossos pais dizer isto antes, mas a pesquisa sustenta-o: quando a maioria dos amigos dum adolescente é sexualmente activa, esse adolescente tem uma probabilidade 31 vezes maior de se embebedar e 22 vezes maior de fumar haxixe, quando comparado com adolescentes que não se rodeiam por amigos sexualmente activos. [1] Outras pesquisas revelam “apenas 4% dos jovens cujos amigos não eram sexualmente activos eram eles próprios sexualmente activos. Entre aqueles cujos amigos eram sexualmente activos, a percentagem era 43%”.
Se tu vês MTV ou séries manhosas, ou se lês revistas da moda (não é de moda!) onde vale tudo, ou outras coisas que são potencialmente impuras, livra-te delas. Considera-as como poluição do amor. Mais, evita ser preguiçoso e não fazer nada. Este é um dos principais meios pelo qual acabamos por cair no pecado. Mantém-te ocupado com amigos, serviço social, desporto, hobbies e outras actividades do género.
Isto tudo requer determinação pela pureza. Repara como as pessoas se negam a si mesmas para ter o corpo perfeito. Se as pessoas gastassem um décimo desse tempo a cuidar das suas almas, seríamos um mundo de santos. Ninguém pensa que um homem se está a reprimir quando ele apenas come comida saudável para se preparar para a maratona. Da mesma forma, aquilo para que tu te preparas – amor e santidade – requer treino sério. Tu não estarás a reprimir os teus desejos sexuais, mas a redireccionar essa energia para um amor menos centrado em ti e mais centrado no outro.

Não estás sozinho na tua luta contra a tentação. De facto, até os santos travaram semelhantes batalhas. Nas palavras de S. Paulo, “não faço o bem que quero, mas o mal que não quero… Mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros” (Rom 7, 19.23). Durante esta batalha, lembra-te de que a graça de Deus basta, pois o seu poder se aperfeiçoa na nossa fraqueza (2 Cor 12, 9).
Pede a Deus a sabedoria para evitar a tentação e a graça para Lhe agradar. Ele dará estes bens espirituais e muitos outros àqueles que Lho pedem. Nas palavras de um sábio padre, “o único obstáculo que pode tornar as nossas vidas miseráveis é a rejeição de acreditar que Deus nos dará a vitória da castidade perfeita”.

Como se obtém essa vitória? Primeiro passo é a oração. Marca um tempo de oração diária e prende-te a isso. Eu também recomendo a frequência dos sacramentos, especialmente a Missa e Reconciliação (confissão). A Eucaristia é a fonte da pureza, por isso aproveita essas graças. Ir à Missa não irá afastar todas as tuas tentações, mas vai dar-te a graça da caridade. Na Eucaristia, Cristo dá-se Ele mesmo plenamente a nós de modo que nós possamos dar-nos também plenamente. Isto é a fonte da castidade, porque o amor motiva-nos a viver para os outros, em vez de viver para nós mesmos. Arranja tempo para a Missa diária e vai sempre que possível. Se há uma igreja na tua zona que tenha Adoração Eucarística, faz visitas frequentes a Jesus aí. Por outras palavras, torna a tua vida intensamente eucarística.
Há muitas devoções que podem fortalecer a tua vida. Por exemplo, reza um Terço todos os dias. Isto demora apenas quinze a vinte minutos, por isso marca um tempo de lado para isto. Rezar as estações da cruz é outra fonte de tremenda força que as pessoas tendem a esquecer. Para uma simples oração, calma e devotamente diz os nomes de Jesus, Maria e José. Aumenta a devoção pelo teu anjo da guarda, que está sempre aí a ajudar-te a resistir à tentação. Vira-te para a Bíblia, porque é uma grande fonte de graça e consolação quando precisamos. Para iniciantes, lê 1 Pe 5, 6-10. Finalmente, se estás seriamente a querer fazer um progresso moral na tua vida, encontra um bom confessor ou director espiritual. Como eles dizem, “aquele que se tem a si mesmo como guia, tem um idiota como discípulo.”

Como posso promover a mensagem da castidade na minha escola?

Recomendaria três coisas. Primeiro, reza e jejua pela tua escola. No Evangelho de Marcos, Jesus falou sobre como algumas pessoas podiam apenas ser libertadas das suas doenças espirituais através da oração e jejum de outras pessoas por elas (Mc 9, 29).
Segundo, umas das coisas mais eficazes que tu podes fazer para espalhar a mensagem da castidade é vivê-la. Isto porque a virtude da castidade é mais facilmente vista do que ensinada/falada. Tal como S. Francisco dizia “Anuncia sempre o Evangelho. Quando necessário, usa palavras.” O teu exemplo silencioso vem primeiro. Se estás numa relação de namoro, certifica-te de que Deus é o centro dessa relação, de modo que os teus colegas possam ver a alegria que uma relação abençoada traz. E mesmo que não estejas a namorar, o teu testemunho de pureza é igualmente forte. Para citar S. Paulo, “ninguém despreze a tua juventude; mas tu sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza” (1 Tim 4, 12).

O mundo duvida seriamente que a castidade possa existir nas vidas e relacionamentos dos casais modernos. Recusa-se a acreditar que dois jovens loucamente apaixonados um pelo outro possam resistir à tentação. O que o mundo não vê é que, desde que o casal tenha um motivo – o amor verdadeiro – tal é muito possível. Não só é possível, como, segundo observou Mary Beth Bonacci, casais de namorados que viveram a castidade “tinham um tempo mais fácil de fim de namoros. Estes fazem melhores decisões de casamento. Estes são mais felizes.” Então, sê uma luz para o mundo! A tua escola precisa de ver que nós não abraçamos a castidade apenas porque temos medo de infecções venéreas ou gravidezes indesejadas.

Toda a gente está consciente das mensagens sexuais que nos bombardeiam em todos os canais de televisão e rádio. A mensagem da “libertação sexual” rodeia-nos. Infelizmente, para conter esta permissividade, a mensagem da pureza foi sempre apresentada em termos como “diz não”, “o verdadeiro amor espera”, “abstém-te”. Todos estes slogans são bons, mas eles podem criar a impressão de que a pureza não é mais do que um sistema de restrições e proibições. Isto pode não ser apelativo para uma pessoa que só conhece o “amor” imediato e a afecto de simples relacionamentos físicos. Por causa disto, a mensagem da castidade precisa de ser reabilitada de modo que todos sejam capazes de ver a relação óbvia e clara entre o amor verdadeiro, a liberdade total e a pureza. Não se trata de evitar doenças sexualmente transmissíveis. É sobre ter um melhor Amor. Mais importante, é sobre desejar o Céu para a pessoa que tu amas.

Terceiro, para que esta mensagem se espalhe, eu recomendaria começar um “Clube da Castidade” no teu liceu ou universidade. Este não é um grupo funerário da abstinência, mas um apostolado para espalhar a mensagem da castidade corajosamente. Através deste clube, podes conhecer outros alunos que partilhem contigo a paixão pela pureza e lançar um sem-número de projectos e actividades para transformar o ambiente à vossa volta. Alguns dos projectos envolvem visitar liceus locais e outros para espalhar a mensagem da castidade a estudantes mais novos. Tendo em conta que há mais de 16 milhões de estudantes em liceus na América, há muito trabalho para fazer. Se a tua escola é católica, outro objectivo do clube pode ser começar Adoração Eucarística no teu meio académico, com a ajuda do capelão ou do responsável. Isto tem um poder inexplicável de santificar os estudantes (e a escola) porque tu estás a trazer o próprio Cristo para aí para o meio. Nas palavras do Papa João Paulo II, “a Eucaristia é o segredo do meu dia. Dá-me força e sentido para todas as minhas actividades de serviço à Igreja e ao mundo inteiro… Deixa Jesus no Santíssimo Sacramento falar ao teu coração. É Ele quem é a verdadeira resposta de vida que tu procuras. Ele permanece aqui connosco: Ele é Deus connosco. Procura Jesus sem te cansares, acolhe-O sem reservas, ama-O sem interrupções: hoje, amanhã, sempre.”

Uma rapariga disse uma vez, depois de ter ouvido uma conferência sobre a pureza sexual, “eu concordo com tudo o que dizes, sei que a maioria dos meus amigos também concordaria. Tudo isso faz tanto sentido! Só que simplesmente ninguém mais que eu conheça vive realmente assim. Não sei se serei suficientemente forte para ser a primeira. Talvez se um grupo de mais alguns de nós começássemos todos juntos.” Esta é a tua tarefa – criar uma cultura em que seja mais fácil ser bom, um ambiente mais favorável à pureza. Nas palavras de S. Catarina de Sena, “se tu fores o que deverias ser, pegarás fogo ao mundo inteiro!”

Se dás por ti a ir demasiado longe com um rapaz, como paras repentinamente e dizes “não”?

A maior parte das situações de impureza podem ser evitadas se pensares mais à frente e evitares pessoas e lugares que é provável que ponham em risco a tua pureza. Mas se já estás numa situação onde precisas de ter prudência, há várias coisas que podes dizer. Todas as pessoas parecem recomendar diferentes abordagens, mas esta é a nossa abordagem.

Para os iniciados, não subestimem a abordagem directa: dizer simplesmente “precisamos de parar – estamos a ir demasiado longe” pode funcionar, especialmente se já é compreendido que estás comprometida com a castidade. Inclui-te da mesma forma que a ele – diz “nós precisamos de parar”, em vez de “tu tens de parar” – para indicar que não o culpas, simplesmente pões um travão. Isto pode ser difícil, mas considera como uma experiencia de aprendizagem, para que não deixes que as coisas cheguem àquele ponto novamente.
Pode ser mais prático dar-lhe um elogio – os rapazes gostam disso – tal como “eu gosto mesmo de ti, divirto-me muito quando estamos juntos, mas este tipo de coisas é o que quero guardar para o casamento”. Também, sente-te à vontade para culpar os pais pelas tuas decisões: “a minha mãe matava-me se soubesse o que andamos a fazer. Precisamos de parar”.

Outro motivo para descartar tentativas humorosas é que não é tempo para piadas mas para testemunhar a verdade do amor. Sê humilde e clara, confiante, firme e, encara isto como um momento instrutivo. Usa um “não” verbal e como a linguagem corporal. Se estás deitada com ele no sofá e sussurras um “não” meio apagado, ele provavelmente não tem vai levar a sério, já que não levas o teu compromisso com a castidade a sério. Também, quando uma rapariga é incapaz de dizer “não”, ela é menos atractiva. Wendy Shalit descreve uma apatia no comportamento das raparigas “que provém da falta de autenticidade, de desistirem demasiado”, de não saberem como estabelecer limites e ter caracter para permanecer firme a eles. [1] para evitar esta apatia, pede a Deus a força para manter e fazer crescer a tua pureza.

Mesmo se não convenceres o teu parceiro a viver puramente na sua própria vida, não faz mal. É mais importante que tu faças o que está certo do que consigas convencer oura pessoa. Não tens de fazer de policia da castidade. Na verdade, ambas as pessoas numa relação devem ser responsáveis. A responsabilidade de apitar não deve recair inteiramente sobre uma pessoa. Também, não deves dar ao teu parceiro uma apresentação de trinta minutos sobre a importância da castidade para ti e certamente não lhe deves favores sexuais. Se ele não aceita um simples “não”, então não te ama.

Se é esse o caso, deixa-o ir, e procura um homem que saiba verdadeiramente honrar uma mulher. Mais importante, não tenhas medo. Uma adolescente escreveu-me e disse “eu gosto realmente dele, mas não sei porque faço sexo, como se por vezes tivesse medo de lhe dizer não”. Há coisas piores no mundo do que não ser convidada novamente para sair, por um rapaz que só se ama a si mesmo. Se ele te deixar por causa disto, então ele não merece a tua atenção sequer. Isto pode ser embaraçoso? Talvez. Mas o arrependimento dura mais tempo que o embaraço.

2 Comments
  • Maria Oliveira
    Posted at 14:42h, 19 Setembro Responder

    A sério? “pessoas que dormem juntas antes de se casarem são três vezes mais propensas ao divórcio do que aqueles que esperam pela sua noite de núpcias”. Qual foi o estudo científico que sustentou esta afirmação?

    • admin80
      Posted at 11:50h, 27 Janeiro Responder

      Olá Maria Oliveira,

      Algo de contrário ao projecto Divino gera problemas.
      Estudos científicos também referem tais problemas.

      Obrigado.
      atenciosamente,
      xptodos.org

Post A Comment