Perguntas sobre as consequências da pornografia na vida das pessoas e estudos sobre a enorme indústria

Qual é o problema da pornografia? Não estou a fazer mal a ninguém!

A pornografia treina os homens a avaliar uma mulher, não pelos seus reais atributos enquanto pessoa, mas sim na medida em que ela excita o desejo sexual masculino. Podemos dizer que a pornografia não é um problema, que a capacidade de amar do homem não deiminui quanto este se expõe a esse tipo de conteúdo, mas na verdade, a capacidade para amar uma mulher fica diminuída. Enquanto ele está ocupado com as suas fantasias, diminui a sua masculinidade e aumenta o seu egocentrismo. Muitas vezes passa a confundir aquilo que é luxúria, com aquilo que é amor. O amor significa compromisso, entrega e sacrifício; a pornografia ensina-te a reduzir os outros a objectos para satisfação sexual. Os outros são aqueles que se podem usar e deitar fora quando já não houver novidade nem paixão.

A humanidade foi concebida para o amor, mas não se pode amar uma fantasia e uma fantasia não te pode amar a ti. Quando um homem ama de verdade uma mulher, ele ama-a tal como ela é. Esse amor é impossível com a pornografia, porque o homem só “ama” o que o vicio lhe dá. Ele não tem ideia de quem é a mulher que está a ver, nem lhe interessa realmente; vai ficando cego às emoções dos outros. Por isso é que o Papa João Paulo II disse que o problema da pornografia não é que ensine demais às crianças, é que ensina muito pouco. Mostra muito pouco, porque reduz a mulher ao corpo apenas. Em vez de convidar à masculinidade, a pornografia treina-te a recusar a responsabilidade por uma mulher. As referências a “material para adultos” na internet ou em revistas, ou a um cabaré ou casa de alterne como “clube de cavalheiros” é um engano; e faz parte da grande mentira. As mulheres sabem que os verdadeiros homens não se rebaixam a essas coisas e que cuidam da sua masculinidade.

Há quem argumente que a pornografia não é tão grave e que ajuda a aliviar a tentação. Mas a pornografia não te diminui a tentação. Aliás, como cristãos, a nossa meta não é acabar com o desejo sexual, mas sermos donos, por amor, dos nossos próprios desejos. Levá-los à plenitude. A ideia de que a pornografia pode tirar a tentação é igual a dizer que a gasolina é boa para apagar um fogo. Claro que o apaga… depois de ter queimado tudo!

Por último, a pornografia é a melhor maneira de deitar a perder o teu futuro casamento: treina a mente para ser estimulada por fantasias sexuais egoístas e adúlteras. E, ainda que apenas demore uns segundos a ver uma foto, demorarás algum tempo a esquecer-te dela. Isto pode causar muitos problemas no casamento, porque hoje em dia o casal é comparado com todo o tipo de modelo impossível de alcançar, e espera-se que tudo produza a mesma excitação, como num filme ou num anúncio televisivo. Quando isto não sucede, a união sofre e o casal sente-se dorido e sem poder “alcançar” o nível de fantasia proposto. Quem quer por a sua futura mulher/marido nesta situação? Ambos ficam frustrados. Além disso, aquele que se habitua a ver pornografia está a treinar-se para ser infiel, até nas suas fantasias.

Nas palavras de um marido, a pornografia causa “distorções nos nossos desejos sexuais contra as quais temos que lutar para poder descobrir o amor verdadeiro”. Por isso, se vês e utilizas qualquer tipo de pornografia, por amor ao teu futuro marido/mulher, desfaz-te dela imediatamente. Tu, homem, defende a tua dignidade a da tua mulher, e luta contra a pornografia.

Deus criou o amor para duas coisas: a união entre os esposos e a geração da prole. A masturbação não tem nada a ver com nenhuma delas e em vez de comunicar amor e vida, na masturbação o objectivo do sexo converte-se na satisfação do próprio desejo. Aprendes a ver-te a ti próprio como a única satisfação dos teus desejos sexuais e o acto sexual fica centrado mais no “EU” do que no “NÓS”. Incita a pensamentos egoístas e manipuladores porque não há comunicação pessoal e ensina-te que tu mereces – e que precisas – de uma “gratificação sexual” sempre que sentes desejos sexuais.

Relaxa, não acontece nada de mau ao corpo do homem ou da mulher se não está sexualmente activo. O que verdadeiramente interessa e que tu precisas é de amor sincero…o egoísmo e a masturbação juntos conduzem a que te “ames” a ti mesmo, o que não é amor verdadeiro.

Amor é dar-se a um outro, mas não podes dar algo que não tens. Então, se não tens auto-controlo, se não és dono de ti mesmo, realmente não te podes entregar como presente a outra pessoa. Se uma pessoa não conseguir vencer o seu hábito egoísta de paixão sexual, nunca poderá chegar a amar o outro. Em vez de usar as suas fantasias para a gratificação sexual usará a sua mulher/marido e dará as mesmas desculpas e justificações.

Lembra-te disto: ainda que os pecados sexuais sejam muito tentadores, a graça de Deus é mais forte. Como qualquer outro pecado, isto pode corrigir-se com paciência, perseverança e amor – sem mencionar a oração e o jejum. Mantém os teus olhos postos em Jesus , com confiança e convicção, e verás como Ele terminará bem o trabalho que começou em ti (Fil 1:6)

No Comments

Post A Comment