Perguntas sobre namoro, as dificuldades e atitudes a tomar.

A minha namorada acabou o namoro comigo e estou desolado! Como pode Deus deixar isto acontecer?

Também já passei por essa situação e durante esse tempo a Escritura foi uma grande ajuda! Deus lembra-nos que mesmo quando não sabemos nada acerca do futuro “O Senhor sustenta todos os que caem, e levanta a todos os abatidos” (Ps. 145, 14). O timing de Deus é perfeito e a Sua vontade o teu refúgio. O plano dele contigo ficará claro a seu tempo, por isso permanece sereno, pois nunca te esqueças que é Deus que está contigo, que Ele sabe o que faz.

É natural sentir uma grande sensação de perda no momento em que terminas o namoro, mas no meio do sofrimento não percas a paz. Como diz São Paulo: “ Regozijai-vos sempre. Orai sem cessar. Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” (1 Tess 5, 16-18).

Apesar de não te sentires confiante ou agradecido neste momento, Deus merece o nosso obrigado tanto nos bons como nos maus momentos. Uma das mais belas formas de amar Deus é manifestar o nosso amor para com Ele, mesmo quando não compreendemos o que Ele poderá querer de nós, nos momentos mais difíceis. Não te esqueças, será Ele menos Deus quando nós não percebemos os Seus desígnios?

Aproveita este tempo para te aproximares mais de Deus. Quanto mais a nossa paz depende de outro ser humano, mais nós compreendemos que ninguém nos pode completar totalmente. Por vezes imagino um pequeno trono no nosso coração, e nós é que decidimos quem se deve sentar lá! Muitas vezes colocamos lá pessoas que quando tudo corre bem, a vida vai bem, quando tudo corre mal, afastam-se ou não retribuem o carinho e então nós perdemos a paz. Apenas Deus merece sentar-se no trono do nosso coração e apenas Ele consegue gerar e construir uma paz duradoura.

Não quer isto dizer, que quando Deus está no centro do nosso coração não somos afectados por nada. Confiar Nele não significa que nunca nos sentiremos magoados ou confusos. Quando Deus está connosco nós estamos em paz, mesmo durante a tribulação. Veja-se o que Jesus fez quando dormia no meio da tempestade (Marcos 4, 35-41). Agora é um bom momento para teres a certeza que tudo na tua vida fica ordenado, para deixares que Deus faça em ti a Sua vontade. As vezes estamos tão ansiosos pelas nossas relações com os outros que nos esquecemos do mais importante: A relação com Deus, que é a fonte de toda a nossa bondade e amor.

Outra dica que te pode ajudar: O sofrimento que estás a sentir não é em vão. Quando aceitas o sofrimento, podes juntar-te de forma mais clara aos sofrimentos de Cristo e oferecer esse sacrifício em oração. São Paulo disse “Regozijo-me agora no que padeço por vós, e na minha carne cumpro o resto das aflições de Cristo, pelo seu corpo, que é a igreja” (Col 1, 24). Aproveita essas orações e reza pelos jovens como tu que se sentem desamparados neste momento!

Podes salvar muitas almas através daquilo que sentes neste momento (muita malta não sabe isto!). Santa Teresa do Menino Jesus disse um dia: “O sofrimento alegremente suportado converte mais almas que um sermão”

Então, sofre com amor e oferece o sacrifício, sempre com a confiança que Deus está contigo e deseja o teu sumo bem. Atreve-te a descobrir qual é o sumo bem que Deus reservou para ti!

Como saber se deves acabar o namoro com o atual namorado?

Pergunta a ti própria as seguintes questões:

A minha relação aproximou-me de Deus? Vejo-me a casar com o meu atual namorado? Gostava que os meus filhos crescessem e fossem como ele? Os meus pais gostam dele? Ele está livre de vícios como a droga, o álcool ou a pornografia? Esta relação ajudou-me a ser a mulher que desejo? Ele faz sobressair o melhor em mim? Ele respeita a minha escolha pela castidade? Ele ama Deus mais do que aos prazeres humanos? Posso dizer, com toda a certeza que este namoro é emocionalmente, fisicamente, espiritualmente e psicologicamente saudável? Este namoro aproximou-me dos meus amigos e família?

Idealmente, todas estas perguntas deviam ser respondidas com um sonante “Sim!”. Quantas mais respostas negativas obtiveste, mais razões tens para pensar duas vezes sobre continuar o namoro. Uma coisa é certa, deves estar sempre livre e procurar intimidade com Deus, especialmente nas tuas relações humanas. Algumas jovens e até mulheres preferem manter um mau namoro do que ficar sozinhas. Muitas vezes aturam a má conduta dos namorados e acedem à perversão dos seus valores morais, apenas para não acabar uma relação condenada à muito tempo. Muitos casais aproximam-se de forma tão pessoal que geram, um no outro, um medo irracional de se perderem. Não cedas a este medo!

Se um rapaz tem problemas com os quais não consegues lidar, não avances para o casamento à espera que esses problemas se resolvam com o tempo. Isto é negação! Se ele te trata com desrespeito, confronta-o com respeito. Se ele ouvir, aceitar a responsabilidade, pedir desculpa e agir de forma a mudar o seu comportamento, então pode existir algum progresso ou solução. Se não, então não cries falsas esperanças. Se queres saber como vai ser o teu futuro com ele, olha para o passado. Quanto mais tempo demorares a enfrentar este problema, mais complicado será resolvê-lo. O importante é manteres uma motivação pessoal para mudar o que está mal na tua vida. Sozinha é muito difícil fazê-lo, conta com Deus!

A presença de dificuldades no namoro não quer dizer que têm de acabar. É comum muitos casais afastarem-se um do outro quando as coisas ficam complicadas. O teu dever é discernir se os problemas que vos afligem são inultrapassáveis ou se têm solução. À medida que fores rezando e pedindo luz a Deus, vai também pedido conselhos à tua família e amigos, ao teu padre ou catequista. Reflete no que eles te dizem e tem coragem!

Seja qual for a tua decisão, sê firme nela! Quanto mais tempo andares para a frente e para trás, pior. Se não acabares o namoro, ótimo, está tudo bem! O que não é saudável são os chamados “tempos”, dar um tempo pode ser bom para vocês, especialmente se discernirem que devem mudar algo. Geralmente, quando se dá um tempo, um dos elementos quer apressadamente voltar ao namoro, mas é necessário perceber que existiram mudanças. O ideal é escreveres num papel os motivos que te levaram a dar um tempo, e depois de algum tempo de oração e paz, ver se a pessoa com quem namoras mudou alguma coisa ou permanece igual.

Quando estás muito próxima de alguém com quem namoras, é mais difícil ver os seus defeitos. Uma boa ideia pode ser fazeres um calendário com as suas piores atitudes. Por exemplo, se ele tem o hábito de te faltar ao respeito ou meter-se com outras miúdas, marca tudo no calendário (sem que ele saiba). Idealmente, devias deixá-lo assim que ele tomasse uma atitude destas, mas como é difícil fazê-lo “sem provas” claras, assim terás de te confrontar com aquilo que tu própria escreves.

Quando acabam o namoro há a tentação de serem “só amigos”! Mau hábito! Enquanto um dos dois estiver interessado no outro, então não há maneira de serem amigos. Para já precisam de espaço! Eu já experimentei isto e desaconselho, porque para além de te consumir psicológicamente e espiritualmente, há o sério risco de estragar por completo a possível futura amizade.

Lembra-te sempre de levar este assunto a Deus na oração. Pergunta-Lhe o que deves fazer. Às vezes andamos a perder tempo na oração, não ouvindo o que Ele tem para nos dizer! Nada mais contraproducente! Enquanto não tomas uma decisão, vive uma vida virtuosa e linda, com amor e responsabilidade. Isto vai ajudar-te a discernir mais claramente. Uma coisa MUITO boa de uma relação casta é que acaba de forma mais simples, pois o casal não fez nada que venha a causar arrependimento.

Eu sei que tenho de acabar com o meu namorado, porque este namoro me está a afastar de Deus e da família, mas como o posso fazer?

Não o quero magoar!

Não há forma de acabar o namoro com um rapaz sem que ele fique confuso ou triste! Vai sempre deixar uma marca, mas tem de ser feito. Se uma miúda não aprende a tomar conta de si própria e a dizer “não!”, então nunca vai encontrar o verdadeiro amor.

Para acabar com ele, que tal escrever uma carta. Assim podes dar-lhe todas as razões que te levaram a fazê-lo e se ele tiver alguma dúvida pode sempre voltar a lê-la. Estás a deixá-lo não só por ti, mas também para que ele se aperceba para onde está a ir a sua vida. Ele pode tentar manipular-te de forma a conservar o namoro, mas tens de ser firme! Pensa em todas aquelas vezes em que devias ter sido mais firme com ele, é altura de compensar esses momentos!

É bom poderes falar com alguém depois do namoro acabar. Uma amiga ou alguém da tua família que pode permanecer contigo durante este tempo de transição. Quanto te sentires tentada a ligar ao antigo namorado, podes sempre falar antes com essa pessoa e pedir-lhe coragem!

Coragem! É imperativo que não te voltes a aproximar dele nos primeiros tempos, especialmente nada de beijos, troca de abraços ou até mesmo andar de mãos dadas, NADA! Este rapaz não é o teu marido, e os teus afetos não lhe pertencem. Quanto mais lhe mostrares o contrário, pior será para os dois. Sê o mais forte que puderes e pede ajuda à família e a Deus!

No futuro, deverás ter em conta que qualquer relação que te afaste de Deus, não é uma relação que venha de Deus. É bom saber que podes vir a ter uma boa relação, fundada em bons valores, em Deus, vivida na castidade em aberta à Sua vontade! Ânimo!

Onde, quando e como posso eu encontrar a namorada ideal para mim?

Alguns rapazes veem o mundo das relações assim: “Deus criou a terra – 510.072 Milhões de Km quadrados, já agora-. Depois Deus criou a minha alma gémea e colocou-a algures neste mundo. A minha missão é encontrá-la e a missão de Deus deve ser escondê-la, pelos vistos! É tramado, porque tenho de estar sempre atento não vá ela passar despercebida”

Enfim, se já ouviste isto em algum lado, esquece! É tempo de entregar este assunto a Deus. Procura-O a Ele, em vez de a procurares a ela. Achas que se ficares uns tempos sem namorar, investindo no teu tempo com Deus, que Ele vai deixar que a namorada, que Ele próprio pensou para ti passe despercebida? Quando nos concentramos em servir o Senhor geralmente Ele encontra formas de nos mostrar, que afinal estamos a deixa-lo fazer tudo na nossa vida. A nossa impaciência e vontade de controlar tudo por vezes arruinam-Lhe os planos, deixa-O atuar.

Pensa nisto: “Se eu sou chamado ao casamento, então Deus quer que a minha namorada e futura esposa seja a melhor possível, assim como também espera que eu seja o melhor esposo possível para ela. Mas eu não me consigo tornar nesse esposo se continuar a atrasar o trabalho que Deus quer fazer na minha vida! Se eu um dia vou ser pai de família, precisarei de dar aos meus filhos o dom da fé. Mas como o vou conseguir, se nem eu tenho fé naquilo que Deus me quer dar?” É neste raciocínio que Deus nos quer, deixemo-Lo atuar agora!

A Beata Madre Teresa de Calcutá costumava dizer: “A cada dia temos de dizer que sim! Que queremos estar onde Ele nos quer. Rendermo-nos totalmente: Se Ele te põe na rua -se tudo te foi tirado e estás de repente sem nada- aceita isso nesse momento…aceita o que Ele dá com um grande sorriso. Isto sim é fazer a vontade de Deus (…) Hoje podemos ter uma boa refeição e amanhã talvez não tenhamos nada. Não há água no poço? Ok, aceita! Ele tira-te a saúde? Ok, aceita! Ele tira-te o bom nome? Ok, aceita! Isso é estar sujeito a Deus.”

Assim, por agora abraça o facto de não estares a namorar. Saboreia o momento completamente. É muito fácil passar a juventude a imaginar que uma pessoa será a origem da nossa felicidade. Não há nada de errado em estarmos entusiasmados pelo casamento, mas a antecipação e o “sonhar acordado” consomem-nos e passamos a ser os nossos piores amigos. Além disso, pouco construímos no Reino de Deus. Podemos ficar tão preocupados com os erros do passado ou esperar tanto pelo futuro que não aproveitamos um único minuto da felicidade que Jesus nos oferece hoje. Passamos a vida à espera da Princesa Encantada que nos esquecemos da alegria da vida atual.

Não cedas a sentimentos de desespero se te sentes só, mas aproxima-te de Deus. Evita ter pena de ti próprio. Quando te sentes só, faz o seguinte: Ajuda todos aqueles que se sentem ainda mais sozinhos. Pergunta-te a ti próprio: Quantos sem-abrigo conheço? Aliás, procura todos aqueles que têm sede de amor dentro da tua própria casa, procura na família, certamente encontrarás. Ao sermos mais sensíveis aos amigos e à família, estamos a treinar-nos para sermos melhores maridos e melhores esposas.

Para encontrar a pessoa certa, torna-te a pessoa certa! Geralmente quem não namora está mais preocupado em encontrar a pessoa certa, do que em tornar-se a pessoa certa. Se calhar isto pode explicar porque têm tanta dificuldade nesta busca. Sê a pessoa que Deus te chama a ser.

Não esperes que seja outra pessoa a completar-te! Deixa que seja Deus a fazê-lo. Alguns rapazes ou miúdas vivem com esta ideia: “Se a esposa ou o esposo é suposto completar-me, então estou apenas 50% completo e assim ficarei até a/o conhecer. Quando a encontrar, então ficarei completo/a!” Acredita, se uma pessoa que pensa assim encontrar alguém, o que ele terá não será um relacionamento, será um atentado terrorista à vida do outro!

Devemos estar satisfeitos por sermos amados por Deus. Só então poderemos amar verdadeiramente outra pessoa, porque não temos carências afectivas por preencher. Se estiveres no Ensino Secundário pensa nisto: poucas pessoas encontram a futura esposa durante esses anos. Tens muito tempo, não tenhas pressa de te meter numa relação qualquer. A maior parte das pessoas encontra o marido ou a mulher anos mais tarde.

O segundo passo é frequentar sítios onde encontrarás a mulher ou o homem que admiras. Vai à missa na tua Paróquia, Grupos de Jovens e evita as festas à noite, as “saídas”. Mais importante, procura agradar a Deus. Ele é que te pode ajudar. Está em paz, porque Ele tem um plano que podes não compreender, mas está a pensar em ti e tem uma vida de sentido guardada para ti.
Espera em Deus e que Ele te proteja!

Onde poderei encontrar um bom namorado? Todos os rapazes da escola só estão interessados numa coisa…

Todas as mulheres merecem um homem que tenha uma coisa bem definida na sua vida: Fazer a vontade de Deus. Por isso espera por um homem, cuja intenção seja essencialmente aproximar-te de Deus. Não te contentes com menos. Podes pensar “Exato, onde vou eu encontrar um homem assim? Vou ficar para tia!”. Calma, deixa o assunto nas mãos de Deus. Aproveita este tempo e entrega-o a Deus, constrói uma relação sólida com Ele. Deixa que seja Ele a preocupar-se contigo e a dar-te tudo. Muitas vezes as pessoas estão tão preocupadas em encontrar o Sr. Perfeito, que perdem a oportunidade de aproveitar a vida solteira. Mantém os teus olhos em Deus e não em potenciais namorados!

Acredito firmemente que os casamentos mais sólidos são aqueles em que o homem e a mulher, antes de casarem, abraçaram o facto de estarem bem sozinhos. Muitas vezes não o conseguimos fazer, porque estamos demasiado ocupados à procura de alguém ou a perder tempo e paciência em relações de passagem. São Paulo diz que se habituou a estar contente e adaptado a qualquer circunstância (Cf. Fil 4,11), tentemos imitá-lo. Se uma mulher não consegue estar feliz agora, então não estará depois de casar. O casamento não nos muda por dentro, tu ainda serás a mesma pessoa.

Além disso, se uma mulher é feliz na sua atual situação, ela é muito mais atraente. Na verdade, a mulher ideal para a Bíblia “sorri diante do futuro” (Prov 31, 25). Ela antecipa o futuro com alegria, confiando em Deus e na Sua bondade. Antes de casarmos, temos de aprender a sermos bons solteiros. Assim, a nossa felicidade não está dependente de eventos externos a nós próprios, mas sim da nossa interioridade. Aprende a encontrar alegria em Deus e não te esqueças, depois de casar poderás não ter tempo para servir Deus sem restrições.

O melhor marido e pai será um homem que vive em Deus. Se queres namorar e casar com um homem de Deus, transforma-te numa mulher de Deus. Afinal, homens de virtude procuram mulheres de virtude. Imagina por exemplo, todas as características que procuras num marido -que ele tenha fé, seja santo, respeitoso, puro, e por aí a fora- e pergunta-te: “Olhando para o meu modo de vida, será que mereço um homem assim?” Se não, então passa a merecer, mexe-te! Todos cometemos erros, mas devemos ter a capacidade de mudar as coisas, especialmente rumo a uma vida virtuosa.

À medida que cresces em virtude, terás um maior impacto nos homens. Muitas mulheres desencorajam por causa tipo de rapazes que conhecem na escola. Mas o tipo de homem que uma mulher atrai, está nas mãos dela mesma. Os homens, muito simplesmente desejam agradar as mulheres e portanto uma mulher que eleve o nível de exigência neste campo, com certeza encontrará pessoas disponíveis a preencher os requisitos. Quando um rapaz deseja agradar uma miúda, acredita que não terá medo de ser um verdadeiro cavalheiro. Se apenas as mulheres percebessem o poder que têm em ajudar os rapazes a tornarem-se verdadeiros homens…não te contentes com menos, exige.

Imagina que todas as miúdas da escola ou faculdade decidiam elevar os padrões desta forma. Dentro de pouco tempo os rapazes re-aprenderiam a valorizar o quanto uma mulher merece ser amada e quereriam estar à altura!

Entretanto, vai rezando pelo teu futuro esposo e discerne a tua vocação. Permanece em paz e lembra-te que Deus se interessa por ti e quer que estejas bem.

É mau namorar com alguém que conheci Online?

Online podemos ser quem quisermos. Escolhemos o que informar, mostrar, que fotografias partilhar, enfim. Resultado: as faltas pessoais de cada um são facilmente ocultadas. Portanto, não interessa quanto tempo passaram no chat com outra pessoa ou ao telefone, na realidade a relação não está consolidada.

Qualquer relação que comece online tem os seus problemas. Por exemplo, um casal que se conheceu online pode pensar que a relação tem futuro, porque passam quatro horas por noite a falar, conhecendo-se. Mas na verdade, quando se conhecem pessoalmente, geralmente e rapidamente a relação torna-se demasiado física. Porquê? Porque na verdade criámos e sonhámos com algo que o outro pode não ser, mas aparentar.

Ainda que possa acontecer uma relação de sucesso que começou pela internet, não aconselharia ninguém a começar um namoro desta forma, ocasional, com alguém que não conhecemos. As relações devem ter uma base sólida de amizade e um mínimo de conhecimento do outro. Isto não exclui que possam existir casos de “sucesso”, bons namoros ou até casamentos que começaram assim, mas a experiência não revela muitas vezes essa realidade.

Como saber se um rapaz me ama ou apenas me quer usar?

Passo número um para eliminar da tua lista os rapazes que te querem usar: Usa o tempo! Um homem que realmente quer namorar contigo e fazer de ti a sua futura esposa, não se importa de esperar, de criar uma amizade contigo. Não queres estar com alguém que não dá o devido valor ao teu corpo nem aos teus sonhos.

Se um rapaz te convidar para sair ou para jantar, informa-o logo que és Cristã ou que praticas a castidade. A reação dele irá mostrar logo quais são as suas verdadeiras intenções. Mas é melhor que ele fique surpreendido e decida que não vale a pena investir em vocês, significando que apenas te quer usar, do que passares 6 meses a sair com ele para então perceberes que ele prefere o prazer sexual à tua companhia, que te prefere usar, a pensar em ti como sua futura esposa. Um homem que te pressiona para que lhe entregues o teu corpo, não te ama. Nunca deves permitir que alguém te trate como uma “coisa” um objeto. Aos olhos de Deus, o teu corpo é o que de mais valioso possuis e o teu coração deve ser um tesouro que apenas entregas a quem merece.

Conheci uma miúda fantástica! Quero mesmo casar com ela! O que posso fazer para não estragar isto?

Entrega a tua relação a Deus. Ele é a pedra angular, aliás ele próprio criou o mundo, o que será uma relação para Ele comparado com isso? “Se não for o Senhor o construtor da casa, será inútil trabalhar na construção. Se não é o Senhor que vigia a cidade, será inútil a sentinela montar guarda. Será inútil levantar cedo e dormir tarde, trabalhando arduamente por alimento” (Salmo 127, 1-2). Deixa também que a paz de Cristo reine no teu coração. A tua tarefa é mais oração e menos especulação!

Onde começar? Constrói as fundações a partir de uma amizade abençoada com a tua namorada, antes de passar para o romance. Se e quando a relação começar, aí terás um maior sentido para onde ir, sempre com o objetivo de casar claro. Namorar sem querer casar é como ir ao supermercado sem querer comprar nada, só perdes tempo! Leva as coisas com calma e se for realmente amor aquilo que te move, este tempo inicial não será fonte de dor, estarás a fazer tudo com carinho e ponderação.

Numa relação nova, geralmente as pessoas exaltam-se, desejam contar tudo e partilhar tudo um com o outro, é normal! Sentem-se incrivelmente próximos porque conhecem muito acerca do passado um do outro. Outros aproximam-se espiritualmente, também é normal! Mas nos dois casais, se valorizarem a castidade aí sim estamos bem, para acalmar a parte física da coisa. A parte sentimental e espiritual pode avançar tão rápido que a parte física começa a dar sinal: “também quero!”…em vez da atração ajudar, apenas estraga, imagina uma bomba prestes a explodir, exacto. Por isso tem calma. Não confundas uma prudente entrega, com teres de amar menos a pessoa, nada disso. Apenas faz bem a gestão entre o que sentes emocionalmente, com o que sentes espiritualmente e fisicamente. Leva o tempo que desejares, mas vai ganhando confiança e fortalecendo o que sentes, sem precipitações.

Outra coisa, toma TU as medidas para que a relação seja uma relação de Deus. Ao mesmo tempo não tentes ser o guru espiritual dela ou o seu pai na fé. Ela não é a tua discípula ou estudante ou tua filha. É normal que alguns homens bem intencionados cometam este erro com as adolescentes, especialmente se ela não é uma pessoa que viva a fé há muito tempo. Caminhem para Deus lado a lado e nada de paternalismos, sê um namorado e não um pai.

Algumas coisas em que podes pensar: A relação deve progredir um passo de cada vez; não ligues para o telefone dela demasiadas vezes, nem lhe dês oportunidade de se fartar de ti; não sejas muito precipitado em revelar-lhe que queres casar, ou que encontraste a Sra. Perfeita, porque se ela não chegou ainda à mesma conclusão vai entrar em pânico…; não esperes que seja ela a preencher as tuas carências emocionais; mantém as tuas atividades (desporto, amizades, etc.) que tinhas antes do relacionamento, mesmo depois do casamento; outra coisa, existem muitas vantagens em permanecerem virgens até ao dia do casamento (psicológicas; afectivas; físicas). Parece uma noção antiga permanecer virgem até casar, mas a verdade é que os homens por norma não respeitam mulheres “fáceis” e aborrecem-se com elas muito facilmente assim que deixam de ser novidade. Da mesma forma as mulheres facilmente desrespeitam homens que apenas tem uma coisa em mente…

Em suma a relação deve respirar, não tenhas medo de dar ao outro algum espaço, porque as relações progridem melhor na liberdade, no respeito e na confiança. Lembra-te também que o casamento não é a meta! Muitos chegam ao casamento exaustos, pensando que tudo vai mudar, mas a verdade é que a corrida só começa verdadeiramente no casamento. Um amor que dura uma vida dá um trabalho gigante, mas os seus frutos não têm preço.
Aproveita também para te corrigires nos pequenos pormenores. Torna-te um santo! Essa é a melhor prenda que podes dar à tua futura esposa e aos teus filhos, melhora a tua relação com Deus e isso espelhar-se-à no teu dia-a-dia.

Estou a acabar o Ensino Secundário e nunca tive uma namorada! Isso é mau? Quando deveria começar a namorar?

Isso não é mau! Na verdade tem algumas vantagens. Por exemplo, imaginemos que conheces a miúda com quem gostarias de casar, mas o casamento está a uma década de distância. Achas que o vosso namoro poderá durar esses dez anos? Qual durará mais, um namoro de escola ou uma sólida amizade? Claro que a amizade é muito mais fácil de manter este tempo todo! Além disso, servirá de fundação para o amor que se pode gerar entre os dois.

Não precisas de namorar durante o Secundário para vir a conhecer o sexo oposto, de maneira a ter “sucesso” com as miúdas na faculdade. Aproveita este tempo para não teres distrações e pergunta antes o que Deus quererá de ti! Com toda a vida e energia que tens agora poderás dar-te sem reserva a Ele, sê generoso!

Demonstras sabedoria se tiveres calma antes de começar um namoro. Por exemplo, um estudo sobre a influência da idade dos namorados no comportamento sexual, cuja a amostra era de 800 alunos do secundário, chegou às seguintes conclusões (EUA): Entre os rapazes que começaram a namorar no 7º ano, apenas 29% eram virgens. Nas miúdas eram apenas 10%. Contudo naqueles que esperaram até aos 16 anos para começarem a namorar, 84% dos rapazes e 82% das raparigas ainda eram virgens. Resumindo, se tiveres calma, tudo vai correr pelo melhor, com uma entrega mais moderada e racional.

Esperar pela altura certa para namorar dá-te uma melhor maturidade para futuros relacionamentos. Uma miúda ou um rapaz não são propriamente um objeto, como um carro, em que nós até podemos namorar “para ver se dá”. Não! Cada um tem um valor único e deve guardá-lo para entregar a alguém realmente especial. Muitas pessoas passam a juventude a saltar de relação em relação, como se tivessem à procura do modelo certo de automóvel. A tua futura esposa ou o teu futuro esposo valem mais do que isso. Os anos do Secundário não são os ideais para relações intensas, são os ideais sim para tu te encontrares contigo mesmo, para descobrires o mundo e traçares os teus objetivos de vida!

Todos queremos o amor de outra pessoa, mas há uma altura para tudo. Por agora aproxima-te de Deus, para que venhas a perceber o que ele deseja para ti e para te compreenderes a ti próprio aos olhos Dele.

Por último, a tua questão pressupõe que o namoro é a única opção…não é! Hoje em dia o que é verdadeiramente original é a paciência e calma para escolher um bom namoro! Não caias no erro de te perderes num mar de relações sem sentido que apenas te magoam e fazem perder um bom tempo de vida na presença de Deus.

Já tive a minha dose de más relações. Como posso voltar a confiar num rapaz outra vez?

Quando escolheres o teu namorado, no futuro, tem em mente as seguintes considerações:

Primeiro: Tem calma! Em vez de te preocupares em confiar no teu namorado, começa por construir amizades saudáveis com rapazes decentes, que te respeitem. Um ambiente onde és respeitada ajuda-te a perceber que existe muitos e bons rapazes por aí.

Segundo: Não namores com alguém com o qual não te vês casada.

Terceiro: Não cases com alguém que não ame mais a Deus que a ti. (Parece dura esta dica, mas a verdade é que o amor a Deus é a verdadeira fonte de amor entre as pessoas. E só Deus sabe as dificuldades que os esposos passam durante os muitos anos de vida que têm pela frente. Um homem que ame a Deus e tenha definido que é Ele o centro da sua vida, amar-te-à com um vigor e uma humanidade quase divina).

Quarto: Não continues a namorar com alguém que não resista à tentação. Se ele não consegue resistir à tentação antes do casamento, como ele irá resistir depois do casamento? Vês-te a casar com um homem que não consiga dizer “NÃO” ao sexo?

Quinto: Não penses que deves ter sempre um namorado, especialmente se estiveres no Secundário. Dá tempo ao tempo, aprofunda a tua relação com Deus. Ter tempo a sós com Deus faz parte de um processo de cura dos teus sentimentos, das tuas relações passadas. Para encontrar a paz, o amor e o carinho que realmente mereces, olha para Deus e segue as pisadas Dele, pergunta-Lhe se o caminho que estás a pensar trilhar é o correto.

Penso que a melhor maneira de saberes se encontraste um rapaz certo, em quem confiar, é saltares de cabeça para uma outra relação com um Homem genial – Jesus. Quanto mais conheceres Jesus, mais serás capaz de perceber nos rapazes as semelhanças que estes têm com o namorado por excelência, o próprio Deus. Deus pode curar todas as tuas feridas e voltar a construir tudo, se tu permitires…sê paciente neste processo. É natural que queiras guardar o teu coração por agora, chega de feridas. Com o tempo verás que alguns homens merecem confiança, enquanto outros não merecem nada.

Que Deus te conceda a capacidade e coragem de discernir quais são os homens dignos de ti.

Qual é a importância da atração física na altura de escolher um namorado(a)? Devemos valorizar a personalidade do outro acima da atração?

Muitas pessoas pensam que é um erro ter uma relação com alguém pelo qual se sentem extremamente atraídos fisicamente. Novidade: Todos nos sentimos atraídos pela beleza, tu não és diferente! Mas isso não significa que devamos perseguir todas as pessoas pelas quais nos sentimos atraídos… Por exemplo, no casamento, é comum que os esposos possam sentir atração por outras pessoas que não o cônjuge. Como é óbvio, tais sentimentos de atração não querem dizer que devam deixar o esposo(a).

Sentirmo-nos atraídos por alguém é uma sensação maravilhosa e não recomendo mesmo que um casal pense em casar, quando não se sentem atraídos um pelo outro. Esta é a parte natural da humanidade, sentimos atração para o belo. No entanto, se uma mulher casar com um homem porque sente uma extrema atração por ele, ou um homem que não case com ninguém, porque não consegue encontrar uma barbie católica, então temos um problema! Não devemos esperar perfeição no outro. Se encontramos, então isso quer dizer que o problema não é no outro, mas na forma como nós o vemos. Ninguém é perfeito. Quando assim é, devemos verificar se estamos a compreender verdadeiramente o que procuramos. Alguém disse uma vez: “Deus ajude o homem que não casa porque não encontra a mulher perfeita, e Deus o ajude ainda mais se ele a encontrar”.

O livro dos provérbios diz “Enganosa é a beleza e vã a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa sim será louvada”. (Provérbios 31,30). Esta frase não quer dizer que a atração física é má, apenas lembra que existem outros factores, como a personalidade e a espiritualidade. Aliás estes dois últimos são mesmo mais importantes. Quando a beleza externa desaparece (o que acontece, mais cedo ou mais tarde) o que preferes: Ter casado com alguém que já não é nada, porque apenas tinha a beleza… ou ter casado com alguém que já não é bela, mas vive uma completa entrega a Deus e tem uma personalidade que escolheste anos antes? Olha para a avó da tua namorada, é assim que ela vai ficar. Agora, adiciona adiciona nesse quadro as qualidades da tua futura esposa. Podes dizer que ainda queres passar o resto da tua vida com ela? Se responderes não, então pensa bem na relação que escolheste. Outro truque para compreenderes a tua relação neste aspeto é imaginares-te como sendo uma pessoa cega: Pensa agora se não tendo o dom da vista, ainda casarias com a tua namorada.

Uma relação vive das fundações que escolheste e escolhes diariamente. Se o casal constrói a relação apenas fundada no prazer, então a relação vai durar enquanto o prazer for satisfatório. Se for baseada no aspecto físico, então quando este desaparecer, também desaparece a relação. O julgamento do outro é facilmente toldado pela beleza física, portanto toma as devidas precauções na tua escolha. Procura pessoas que te inspirem, modelos que te guiem. Aí estarás mais seguro.

E qual é o problema se estamos os dois cómodos com isso?

Alguma vez ouviste uma rapariga dizer: “Estou a sair com o rapaz que a minha família e amigos detestam. Dizem que é possessivo, mas isso é a sua maneira de me mostrar o quanto gosta de mim. E comecei a ter relações sexuais com ele para lhe demonstrar o quanto o amo. Porque é que os outros não conseguem ver o lado bom de tudo isto?”
Enquanto esta rapariga pensa que o problema é que os outros não apreciam o seu namorado, o verdadeiro problema é que ela não consegue perceber o porquê dessa falta de amizade. Quando o sexo entra numa relação é quase impossível para ambos serem objectivos a respeito dela. Este é um efeito que o sexo tem sobre a mente: durante a excitação sexual o corpo produz uma substância química chamada ocitocina. A ocitocina funciona como uma super-cola humana porque cria uma enorme ligação emocional com o outro, faz aumentar a confiança no outro e diminui a capacidade de ver o outro com objectividade.

Essa cegueira e esse apego ajuda os casais a perseverar no seu amor durante os tempos difíceis. Mas fora do casamento pode ser perigoso. Por exemplo, pelo facto de a ocitocina te condicionar a focalizares mais os aspectos positivos e as boas recordações da outra pessoa, é mais fácil passar por cima dos altos riscos ou sinais negativos de uma relação com essa pessoa. Um cientista disse que “a ocitocina pode afectar a precisão do que forem as avaliações negativas, levando-nos a afirmar, coisas como “ah, afinal de contas ele/ela não é tão mau assim.” As investigações também mostram que a vinculação intensa desactiva circuitos cerebrais cuja função é ajudar-nos a avaliar objectivamente a outra pessoa. Isto permite-nos explicar porque é que há gente que continua a ter relações sem qualquer saída, ainda que os seus amigos lhes digam que se separem. Uma vez que o estrogéneo aumenta a formação da ocitocina, através do sexo as mulheres sentem uma ligação mais forte que os homens e sofrem mais com uma ruptura numa relação. Quando uma relação termina, especialmente se houve sexo, ambos podem sentir-se como se estivessem a viver um verdadeiro divórcio emocional.

Mas se continuares com outras relações, incluindo sexo, de cada vez será mãos fácil por fim à relação porque os níveis de ocitocina vão baixando, ou seja, vai-se produzindo menos ocitocina, logo a ruptura torna-se cada vez mais fácil. Em termos práticos, partilhar o dom do sexo é como pôr-se a si próprio uma fita adesiva no braço: Ao princípio a cola pega muito bem e causará dor ao tirá-la. Mas depois colas essa fita a outro braço e já será mais fácil tirá-la. De cada vez que tirares a fita adesiva de um novo braço a cola vai tornando-se cada vez mais fraca devido aos restos de cola que ficam colados à fita. Ou seja, uma relação nova pode receber a influência de relações sexuais anteriores, as quais interferem na força e no apego entre homem e mulher. No entanto, se praticarmos e vivermos a pureza, ou se começarmos de novo no caso de teres cometido erros no passado, vais-te preparando para um vínculo melhor e mais forte com a tua futura esposa ou o teu futuro marido.

Estas ideias podem ser interessantes, mas a questão que de fundo é esta: O sexo fora do casamento não é natural nem moral simplesmente porque as duas pessoas estão de acordo em fazê-lo. Se fosse assim, então também a prostituição seria algo bom. Tal como não somos nós que nos criamos a nós próprios, também não somos nós quem define o que é bom ou mau; e não obstante sucede muitas vezes que queremos colocar-nos acima de Deus quando Ele nos pede alguma coisa. O Papa João Paulo II explicou esta mentalidade: “Se me convém e é útil para o que eu quero, está bem, mas se não for assim, recuso aceitá-lo e afasto-me…” Infelizmente, devido ao nosso orgulho, muitas vezes nem nos apercebemos de que os Seus Mandamentos existem para que a nossa alegria seja completa (João 15:11).
Se no futuro ficas com essa pessoa, então terás o resto da tua vida para partilhar com ela o dom do sexo dentro do matrimónio. Mas se não faz parte do teu futuro ficar com essa pessoa, então porque é que te vais manter agarrado/a a uma relação sexual e prejudicar a tua capacidade para te ligares emocionalmente a outra pessoa, que é aquela que “é mesmo para ti”?

A verdade é que não posso estar sozinha…

Claro que podes, podes esperar que Deus te apresente quem procuras e podes rezar por ele, que também estará a procurar-te. Às vezes ouço dizer:
“Já passámos por tanta coisa, temos vivido tantas coisas juntos e temos chegado tão longe … não quero perdê-lo.” Tínhamos acabado mais vezes do que as que eu podia recordar mas voltava sempre a cair novamente nessa relação. Permanecíamos na indecisão e na confusão; era óbvio que nenhum dos dois era livre. Só uma pessoa livre pode dar o presente do amor. Assim como alguns rapazes são escravos das suas hormonas, eu era escrava do meu medo em ficar sozinha; sentia-me tão só quando estava com ele que não queria nem sequer imaginar o quanto sozinha me sentiria sem ele. Mas aguentar quase tudo para evitar enfrentar os meus próprios temores não é amor… e a minha vida foi-se transformando em drama de telenovela.

Quando estás sozinha é fácil acreditar na mentira de que és a única nessa situação. Mas garanto-te que algumas das raparigas mais populares e admiradas no teu colégio ou universidade também se sentem assim e muito mais do que imaginas. Todos pensavam que eu e o meu grupo de amigas éramos o ideal, mas não suspeitavam das desordens alimentares, das pílulas para os nervos, das pastilhas para não engordar, dos problemas com o álcool e as drogas, as famílias destruídas, a falta de aceitação, os namorados infiéis… Se te sentes sozinha, acolhe-te em Deus e confia-Lhe todas as tuas preocupações pois Ele preocupa-se por ti (1 Pet.5:7). Confia em Deus com todo o teu coração, e com o teu corpo. É apenas quando estás satisfeita com o Seu amor que o amor humano que por Ele tem planeado para ti realmente será como esperas.”

Eu gosto de namorar na desportiva, gosto da liberdade de ver diferentes mulheres sem ter que me comprometer e casar. Qual o problema?

Antes de mais analise a sua consciência e motivos desta postura. O que pretende quando entra nesses relacionamentos temporários? A resposta natural talvez seja que, se envolve com as mulheres apenas para passar um tempo agradável com elas. Ok, mas já reflectiste se esses relacionamentos temporários não serão uma espécie de escudo para ti? Será que eles não escondem um medo mais profundo de que, talvez, tu não estejas pronto para um relacionamento duradoiro? Será que não é uma forma não quereres que o teu coração se envolva com sinceridade no amor? Os homens devem ter a coragem de abrir o coração ao amor, se querem conquistar o coração de uma mulher; tal, pode ser arriscado e doloroso, mas como escreveu C.S. Lewis, “O único lugar além do paraíso onde se pode estar perfeitamente seguro contra todos os perigos e perturbações do amor é o inferno”

Uma vez eu li que “O amor jovem é uma chama; muito bonita, muito quente e violenta, mas ainda pequena e incerta. O amor do coração mais antigo e disciplinado é como o carvão, queima profundamente e não se apaga”. Se queres encontrar um amor que não se apaga, deves lidar com o facto de que o amor não é livre. Ele custa tudo, mas essa entrega total de si é precisamente o que nos torna mais livres, nos liberta da prisão de fazer tudo por causa de nós mesmos; dito de outra forma, quando chegar a hora da nossa morte, não teremos aprendido a amar ninguém além de nós mesmos. Nas palavras de S. João Paulo II, o amor “nos tira da prisão do individualismo e do egocentrismo”. Parece estranho, mas não sabemos o que é liberdade até que nós entregamos nossa liberdade por causa do amor. É para isso que a liberdade existe: para que seja entregue. Se vivemos para nós mesmos, perdemos o foco de nossa existência, porque fomos criados para amar como Deus ama.

Que tal o desafio de não despertares o interesse de uma mulher, enquanto não tiveres interesse em amá-la permanentemente? Os homens geralmente acham fácil conseguir, conquistar, no que se refere a prazer e sucesso. Mas quando se fala em dar ou comprometer-se, damos um passo atrás. Existe medo, hesitação.. Mas, como disse o Papa S. João Paulo II: “A pessoa que decide não amar para sempre, vai ver que é muito difícil, realmente, amar – nem que seja só por um dia.”